Índice

Provérbios 7

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

, ; ‍, . 1 Filho meu, guarda as minhas palavras, e entesoura contigo os meus mandamentos.
‍ ; , . 2 Observa os meus mandamentos e vive; guarda a minha lei, como a menina dos teus olhos.
-; , - . 3 Ata-os aos teus dedos, escreve-os na tábua do teu coração.
, ; , . 4 Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e chama ao entendimento teu amigo íntimo,
, ; , . 5 para te guardarem da mulher alheia, da adúltera, que lisonjeia com as suas palavras.
, -- . 6 Porque da janela da minha casa, por minhas grades olhando eu,
, -- -. 7 vi entre os simples, divisei entre os jovens, um mancebo falto de juízo,
, ; . 8 que passava pela rua junto à esquina da mulher adúltera e que seguia o caminho da sua casa,
- ; , . 9 no crepúsculo, à tarde do dia, à noite fechada e na escuridão;
, ; , . 10 e eis que uma mulher lhe saiu ao encontro, ornada à moda das prostitutas, e astuta de coração.
; , - . 11 Ela é turbulenta e obstinada; não param em casa os seus pés;
, -- ; - . 12 ora está ela pelas ruas, ora pelas praças, espreitando por todos os cantos.
, ; , . 13 Pegou dele, pois, e o beijou; e com semblante impudico lhe disse:
; , . 14 Sacrifícios pacíficos tenho comigo; hoje paguei os meus votos.
-, ; , . 15 Por isso saí ao teu encontro a buscar-te diligentemente, e te achei.
, ; , . 16 Já cobri a minha cama de cobertas, de colchas de linho do Egito.
-- , . 17 Já perfumei o meu leito com mirra, aloés e cinamomo.
, -; , . 18 Vem, saciemo-nos de amores até pela manhã; alegremo-nos com amores.
; , . 19 Porque meu marido não está em casa; foi fazer uma jornada ao longe;
-, ; , . 20 um saquitel de dinheiro levou na mão; só lá para o dia da lua cheia voltará para casa.
, ; , . 21 Ela o faz ceder com a multidão das suas palavras sedutoras, com as lisonjas dos seus lábios o arrasta.
, : , - ; , - . 22 Ele a segue logo, como boi que vai ao matadouro, e como o louco ao castigo das prisões;
, -- -;
-, - .
23 até que uma flecha lhe atravesse o fígado, como a ave que se apressa para o laço, sem saber que está armado contra a sua vida.
, -; , -. 24 Agora, pois, filhos, ouvi-me, e estai atentos às palavras da minha boca.
- - ; -, . 25 Não se desvie para os seus caminhos o teu coração, e não andes perdido nas suas veredas.
- ; , -. 26 Porque ela a muitos tem feito cair feridos; e são muitíssimos os que por ela foram mortos.
; , --. 27 Caminho de Seol é a sua casa, o qual desce às câmaras da morte.

Índice

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31